Papa Francisco destina ajudas a Moçambique, Zimbábue e Malauí

01/04/2019 Por: Vatican News
 
A doação, que quer ser uma expressão imediata do sentimento de proximidade espiritual e encorajamento paterno do Santo Padre às pessoas e territórios atingidos, será dividida – em colaboração com as nunciaturas apostólicas – entre as áreas mais atingidas pela catástrofe e será utilizada em obras de socorro e assistência às pessoas e territórios
 

Raimundo de Lima - Cidade do Vaticano

O Papa Francisco, através do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Integral, determinou uma contribuição de 150 mil euros destinados a Moçambique, Zimbábue e Malauí (50 mil euros para cada um destes países do sudeste da África), fortemente atingidos pelo ciclone Idai. A ajuda servirá para socorrer as populações neste primeira fase de emergência. É o que informa um comunicado do referido Dicastério vaticano.

 

Proximidade espiritual e encorajamento paterno do Pontífice

O montante, que quer ser uma expressão imediata do sentimento de proximidade espiritual e encorajamento paterno do Santo Padre às pessoas e territórios atingidos, será dividido – em colaboração com as nunciaturas apostólicas – entre as áreas mais atingidas pela catástrofe e será utilizado em obras de socorro e assistência às pessoas e territórios.

A contribuição do Pontífice para as populações atingidas é parte das ajudas que toda a Igreja católica está dando e que envolve, além de várias Conferências episcopais, também numerosos organismos de caridade.

Balanço provisório é de ao menos 300 vítimas fatais

De fato, as inundações provocadas esta semana pelo ciclone Idai devastaram áreas inteiras de Moçambique, Zimbábue e Malauí. O balanço balanço provisório é de ao menos 300 vítimas fatais, milhares de feridos e centenas de milhares de deslocados, envolvendo, ao todo, ao menos um milhão de pessoas na calamidade natural.

Risco de epidemias

A semana intensa de chuvas torrenciais destruiu totalmente dezenas de milhares de casas e estruturas públicas, e interditou as rodovias mais importantes. A cidade de Beira, em Moçambique, foi devastada e numerosos centros urbanos e vilarejos dos três países ficaram destruídos.

As redes hídricas e de energia elétrica estão danificadas, comprometendo também a eficiência dos centros de atendimento médico. Os serviços de socorro têm dificuldade de chegar às áreas devastadas pelo ciclone e há preocupação com o risco de epidemias.